8.3 C
Londres
terça-feira, abril 23, 2024
Descrição da imagem

Venenosas: cobras são as que mais causam acidentes no Pará

Date:

Descrição da imagem

Diante de um acidente envolvendo animais peçonhentos, a celeridade na busca pelo correto atendimento médico faz toda a diferença no desenvolvimento de possíveis sequelas ou, a depender do animal envolvido, até mesmo no maior ou menor risco de vida. Por isso, nesses casos, é fundamental que o cidadão saiba como agir e que atendimento procurar em caso de contato com algumas dessas espécies. De acordo com informações oficiais do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, no Estado do Pará as serpentes são as principais causadoras de acidentes com animais peçonhentos, com 120 casos registrados no ano de 2023.

O médico veterinário do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), Cláudio Guimarães, explica que quando se fala de animais peçonhentos, é importante considerar que eles têm diversas categorias. Portanto, dentro dessa classificação biológica, é possível encontrar as serpentes peçonhentas, os escorpiões, as aranhas, as arraias, entre outros. Alguns deles, inclusive, podem ser encontrados até mesmo dentro das residências, em decorrência de diferentes fatores, mas principalmente fatores relacionados ao meio ambiente.

Nesse sentido, é possível considerar que os sintomas apresentados em casos de acidentes com animais peçonhentos variam muito de acordo com o animal envolvido. Dependendo do tipo de acidente, o indivíduo apresenta alguns tipos de sintomas, mas independente disso, a regra é buscar o atendimento de urgência o quanto antes. “Em todos os casos o que deve ser feito, de imediato, é procurar o atendimento médico porque o acidente pode ser classificado como leve, moderado ou grave e só quem vai poder fazer essa avaliação é o corpo médico dentro de um centro especializado”, orienta. “Caso você esteja longe de um atendimento médico, por exemplo, a orientação é lavar o local com água e sabão para evitar qualquer tipo de infecção e logo em seguida se deslocar até o atendimento médico mais próximo”.

Conteúdos relacionados:

Vídeo: cobra é encontrada em conjunto residencial em BelémVídeo: avó salva bebê de ataque de cobra na TailândiaCobra com duas cabeças e sem olhos é capturada em clínica

Cláudio explica que, nesses casos, é possível procurar qualquer atendimento de emergência mais próximo, seja uma Unidade Básica de Saúde (UBS) ou uma UMS. “É o que a gente recomenda porque, a partir daí, ele vai ser encaminhado aos hospitais de referência. Muitas vezes, não adianta ele chegar no hospital de referência porque esse paciente precisa passar por uma avaliação clínica primeiro, geralmente é esse protocolo”, explica. “Mas em alguns casos mais graves o paciente pode já procurar um hospital de referência, como, por exemplo, o PSM da 14 ou o Hospital Barros de Barreto, que é o hospital o principal que nós temos no nosso município e que disponibiliza, fornece, distribui o soro antiofídico, o soro antiescorpiônico, o tratamento específico para toda a rede pública de saúde”.

IDENTIFICAÇÃO

Outro fator importante após a ocorrência de um acidente com animais peçonhentos é tentar ver de que animal se tratava e suas características principais. Naturalmente, diante da dor sentida, e até mesmo da característica comportamental do animal, muitas vezes as pessoas não conseguem visualizar com clareza de que animal se tratava e, nesses casos, a equipe médica saberá identificar o possível animal através das características da picada e dos sintomas. “Na maioria das vezes, quando acontece o acidente, por exemplo, com a serpente, a pessoa fica tão preocupada com a dor que acontece no local, com o sangramento, que muitas vezes ela não consegue nem visualizar a serpente, até porque ela tem o comportamento de fugir. Com o escorpião já é um pouco diferente porque ele geralmente não foge”, considera. “Independente da situação, o que ela deve fazer é procurar imediatamente o atendimento médico, o mais rápido possível, porque o médico já tem um protocolo esquematizado de perguntas para tentar identificar e diagnosticar o caso, se é um caso de intoxicação por animal peçonhento ou não. Ele vai descartar as possibilidades de acordo com o que a pessoa relatar e também vai identificar os sintomas, os sinais clínicos que aquela pessoa vai apresentar mediante a situação que ela se encontra”.

Justamente por demandarem a produção de uma medicação específica, os soros, tais acidentes precisam ser obrigatoriamente notificados ao Ministério da Saúde, que é responsável pelo encaminhamento dos soros para os estados e municípios. Quando se analisam os dados inseridos no Sinan referentes ao ano de 2023, o que se observa é que as serpentes ainda são responsáveis pela maior frequência de acidentes com animais peçonhentos ocorridos no Pará, acumulando 120 notificações. Em seguida vêm os acidentes com escorpião, que somaram 60 ocorrências, e os acidentes com aranhas, com 22 registros. “Ultimamente a gente observa que existe um aumento no número de casos de escorpiões acidentando pessoas, mas os acidentes com serpentes ainda são o maior número, a maior ocorrência”.

Quer ler mais notícias do Pará? Acesse nosso canal no Whatsapp 

ACIDENTES

Os animais peçonhentos que mais causam acidentes no Pará são algumas espécies de:

SerpentesO envenenamento ocorre quando a serpente consegue injetar o conteúdo de suas glândulas venenosas, mas nem toda picada leva ao envenenamento. Isso porque há muitas espécies de serpentes que não possuem presas ou, quando presentes, estão localizadas na parte de trás da boca, o que dificulta a injeção de veneno ou toxina.Escorpiõesl Os escorpiões são representantes da classe dos aracnídeos, predominantes nas zonas tropicais e subtropicais do mundo, com maior incidência nos meses em que ocorre aumento de temperatura e umidade. Os grupos mais vulneráveis a acidentes com escorpiões são os trabalhadores da construção civil, crianças e pessoas que permanecem maiores períodos dentro de casa ou nos arredores, como quintais. Ainda nas áreas urbanas, estão sujeitos os trabalhadores de madeireiras, transportadoras e distribuidoras de hortifrutigranjeiros, por manusear objetos e alimentos onde os escorpiões podem estar alojados.AranhasOs acidentes causados por aranhas são comuns, porém a maioria não apresenta repercussão clínica. Os gêneros de importância em saúde pública no Brasil são as espécies:Aranha-marrom (Loxosceles), que costumam se esconder em telhas, tijolos, madeiras, atrás ou embaixo de móveis, quadros, rodapés, caixas ou objetos armazenados em depósitos, garagens, porões, e outros ambientes com pouca iluminação e movimentação.Aranha-armadeira ou macaca (Phoneutria), que abriga-se sob troncos, palmeiras, bromélias e entre folhas de bananeira. Pode se alojar também em sapatos, atrás de móveis, cortinas, sob vasos, entulhos, materiais de construção, etc.Viúva-negra (Latrodectus), que costuma fazer teia irregular em arbustos, gramíneas, cascas de coco, canaletas de chuva ou sob pedras. É encontrada próxima ou dentro das casas, em ambientes sombreados, como frestas, sob cadeiras e mesas em jardins.

PREVENÇÃO
Conheça formas de se prevenir contra acidentes com animais peçonhentos

Serpentes

Usar botas de cano alto ou perneira de couro, botinas e sapatos pode evitar cerca de 75% dos acidentes ofídicos (acidentes com serpentes);Usar luvas de aparas de couro para manipular folhas secas, montes de lixo, lenha, palhas, etc.Não colocar as mãos em buracos. Cerca de 20% das picadas atingem mãos ou antebraços;Serpentes se abrigam em locais quentes, escuros e úmidos. Deve-se ter cuidado ao mexer em pilhas de lenha, palhadas de feijão, milho ou cana, e ao revirar cupinzeiros;Serpentes se alimentam de ratos e por isso deve-se controlar o aparecimento destes roedores nas residências. Limpar paióis e terreiros, não deixar lixo acumulado. Fechar buracos de muros e frestas de portas;Evitar acúmulo de lixo ou entulho, de pedras, tijolos, telhas e madeiras, bem como não deixar mato alto ao redor das casas. Isso atrai e serve de abrigo para pequenos animais, que servem de alimentos às serpentes.

Escorpiões e Aranhas

Acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes que possam ser mantidos fechados, para evitar baratas, moscas ou outros insetos de que se alimentam os escorpiões.Combater a proliferação de baratas no intradomicílio. Combater a proliferação de insetos para evitar o aparecimento das aranhas que deles se alimentam.Manter jardins e quintais limpos. Evitar o acúmulo de entulhos, folhas secas, lixo doméstico e materiais de construção nas proximidades das casas. Usar calçados e luvas de raspas de couro nas tarefas de limpeza em jardins e quintais.Evitar folhagens densas (plantas ornamentais, trepadeiras, arbustos, bananeiras e outras) junto a paredes e muros das casas. Manter a grama aparada.Sacudir e examinar roupas e sapatos antes de usá-los, pois escorpiões e aranhas podem se esconder neles e picar ao serem comprimidos contra o corpo.Nas casas e apartamentos utilizar soleiras nas portas e janelas, telas em ralos do chão, pias e tanques.Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos e vãos entre o forro e a parede.Consertar rodapés despregados.Afastar as camas e berços das paredes.Evitar que roupas de cama e mosquiteiros encostem no chão.Não pendurar roupas nas paredes. Preservar os inimigos naturais de escorpiões, como aves de hábitos noturnos (coruja, joão-bobo), lagartos e sapos.Limpar periodicamente os terrenos baldios vizinhos, pelo menos numa faixa de um a dois metros junto das casas.

EM NÚMEROS

Acidentes com animais peçonhentos notificados no Pará em 2023, segundo o Sinan/MS:Serpente – 120Escorpião – 60Aranha – 22Lagarta – 5Abelha – 2Outros – 182Total – 391

Descrição da imagem

Compartilhe

Descrição da imagem

Mais Acessadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here