25 C
Belém
sexta-feira, junho 21, 2024
Descrição da imagem

Museu Goeldi discute potenciais do Rio Amazonas

Date:

Descrição da imagem

Qual o perfil das comunidades que vivem no entorno da região da Foz do Rio Amazonas, que abrange o arquipélago de Marajó, estado do Pará, passa pelo litoral do Amapá e pode alcançar a Guiana? E qual o tamanho da biodiversidade daquelas águas difusas e sua importância para os diversos ecossistemas que dela se nutrem? E o potencial energético de suas águas, profundezas e subsolo, é dimensionável e explorável? Tentar responder a essas questões e quem sabem elaborar novas é um dos objetivos do seminário A Foz do Amazonas – Pesquisas, Conservação e Futuro, que acontece nesta quinta-feira (23), em Belém.

O evento será sediado no Auditório Paulo Cavalcante, no campus de pesquisa do Museu Emílio Goeldi. Terá vários painéis de especialistas das mais diversas áreas da pesquisa e da ciência ao longo do dia, entre 8h30 e 18h.

NOTÍCIAS RELACIONADAS:

COP30: indústria alimentícia aposta na biodiversidadeBiodiversidade é oportunidade de negócios na AmazôniaQuais são as 7 maravilhas naturais do mundo?

A foz em questão é o fim da linha do rio mais extenso do mundo. É quando o Amazonas desemboca no Oceano Atlântico depois de percorrer 7 mil quilômetros. E ali despeja um volume estimado em 300 milhões de litros de águas doce, capaz de se esparramar por cerca de 200 quilômetros mar adentro e formar uma das bacias mais ricas e cobiçadas em termos de biodiversidade e potencial energético.

A ponto de formar pelo menos três correntes de divergentes opiniões, inclusive, entre autoridades brasileiras. Uma parte que defende que a capacidade de ampliação energética do país ali submersa não pode ser desperdiçada. Outra que se posiciona em sentido oposto, sob o argumento do alto risco socioambiental embutido numa eventual exploração. E uma terceira que defende o aprofundamento das pesquisas para que se possa formar uma certeza em torno de uma decisão.

Quer ler mais notícias sobre o Pará? Acesse o nosso canal no WhatsApp!

De acordo com o diretor do Museu Emílio Goeldi, Nilson Gabas Jr., o calor da polêmica estimula setores da comunidade científica a retomar a criação de um centro de pesquisas sobre a foz do Rio Amazonas. “Esse certamente será um dos assuntos que a gente vai tratar, mas (como se pode ver pela programação no documento anexo) o seminário será muito mais do que isso”, diz o Gabas Jr.

Segundo ele, a discussão tem o apoio de pessoas representativas da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP).

O evento terá transmissão pelo canal do Museu Goeldi no YouTube. O museu é ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Compartilhe

Descrição da imagem

Mais Acessadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Descrição da imagem