Operação da PF é sobre corrupção e não sobre qualidade, diz Maggi

São Paulo e Cuiabá – O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, comemorou neste sábado (25) em Cuiabá (MT) a decisão de China, Egito e Chile de terem retirado o embargo a carne brasileira. Reforçando palavras de um comunicado divulgado mais cedo, o ministro afirmou que a retomada das importações pelos países que haviam suspendido a compra é um atestado categórico da qualidade do sistema sanitário brasileiro.

Segundo ele, na segunda-feira (27) a China deve começar a “fazer o desembaraço”. O ministro tomou conhecimento do fim da suspensão imposta pela China na madrugada. No caso do Egito, Maggi soube da liberação na manhã deste sábado (25), assim como da decisão do Chile. Vale notar que a reabertura à carne brasileira só não vale para os 21 frigoríficos sob suspeitas, que inclui as cargas com origem de uma planta da JBS em Lapa, no Paraná (SIF 530).

“Nós conseguimos mostrar que a operação da PF se trata de investigações sobre corrupção e atos ilícitos das pessoas e não sobre a qualidade sanitária da carne brasileira” e que “em nenhum momento foi investigado a qualidade da carne e eles entenderam isso”, disse o ministro.

“Havia uma missão do Egito na semana passada aqui com negociações para atender o exército do Egito, que previa três plantas trabalhando em tempo integral só para atender esse mercado. Espero que essa negociação seja retomada agora”, disse em entrevista à TV Bandeirantes.

Sobre a visita do secretário geral da Comunicado Europeia, Maggi disse que reforçará a qualidade dos procedimentos e disse que o auto embargo estabelecido pelo governo brasileiro dos 21 frigoríficos foi “importante para mostrar à Comunidade Europeia que nossos procedimento são corretos”.

Na segunda-feira (27) o ministro deve apresentar um relatório preliminar sobre as medidas tomadas até agora e destacou em entrevista a Globo que a interdição de planta frigorífica por não seguir normas técnicas sobre misturas de produtos, como salsichas e linguiças. “Em três semanas quero entregar à população brasileira raio X completo sobre as 21 plantas em investigação”, avisou.

Viagem

Após resolver as questões emergenciais, surgidas em razão das investigações da PF, Maggi vai visitar alguns mercados. “Quero ir à China e a vários países compradores dos nossos produtos. Vou junto com uma missão especial para restabelecer a confiança que tínhamos até agora.” No roteiro da viagem, estão Emirados Árabes, Kuwait, Arábia Saudita, Rússia, China e Hong Kong. Ele também pretende visitar representantes da Comunidade Europeia.

 

Exame.com


Comentário